Uma direção bem ajustada segura uma produção limitada!

Após “Roshidere”, o segundo anime da Temporada de Julho de 2024 que vi foi “Tsogare Outfocus”, obra baseada no BL da Jyanome e que aguardei para ver como estaria. Então bora lá comentar um pouco sobre esse episódio de estreia.

Sinopse: “Um clube de cinema numa escola masculina é o pano de fundo para três contos de romance. Mao e Hisashi são dupla em um projeto, fazem três promessas e se aproximam. O presidente do clube, Jin e um garoto mais novo invejoso chamado Giichi entram em confronto antes de acharem um ponto em comum. Shion, estudante do primeiro ano, entre para o clube de cinema em busca de um namorado e bate de frente com Rei — Até que Rei resolve convidá-lo para sair.”


Bom, essa primeira parte do anime (mais para baixo explico um pouco sobre a organização da animação) vai contar a história do Mao e do Hisashi, dois colegas de quarto que compartilham 3 regras básicas de convivência: 1. o Hisashi é gay e o Mao não irá contar nada para ninguém; 2. O Hisashi não dará em cima e nem irá se interessar romanticamente pelo Mao; e 3. Na hora de ‘se aliviar’, eles precisam avisar um ao outro para que não seja incômodo para ninguém e o sinal é apertar um bichinho de pelúcia.

No background da obra, o Mao faz parte de um clube de cinema e o projeto deles para aquele ano é filmar um BL (por que não?). O grupo, embora um pouco receoso com a temática, logo é convencido após ler o roteiro e sobre para o Mao ir tentar convencer o Hisashi a ser o ator protagonista do filme. O Hisashi, por sua vez, tem um namorado que, embora a gente não saiba como é ainda, a obra já deixa claro que algo está errado e nem tudo vai exatamente bem naquele relacionamento. Tanto que é em um desses dias que, após ele pegar uma chuva e ficar doente, o Hisashi tem quase alucinações e confunde o namorado com o Mao se agarrando nele. Se o relacionamento fosse bem, ele não choraria daquela forma, mas isso será melhor colocado nos próximos episódios.

Quadro lindíssimo!

O episódio de estreia vai se concentrar em dois pilares. O primeiro sendo a interação entre os dois que é ótima por sinal, mostrando um pouco dessa relação amical dos dois, bem como um pouco de seus cotidiano. Já a segunda ponta vai ser o filme e o Mao tentando compreender que gosta do Hisashi no fim das contas, sendo esse o motivo pelo qual ele não quer que o Hisashi seja o intérprete no filme, pois essa relação de segredos entre eles cria uma caixinha mais pessoal e, por consequência, uma relação mais especial. Vale lembrar que esses trabalhos que servirão de base para a adaptação são todos volumes únicos. Então o desenrolar da história acaba sendo bem ágil. Ao fim do episódio temos um dos personagens se dando por apaixonado.

Tem cenas muito elegantes visualmente no anime

Falando assim, pode soar bem apressado, mas para mim soou bem natural, porque há uma progressão entre a apresentação dos personagens, o conhecimento da vivência deles (mesmo que breve) para ao longo dessas situações, o Mao, por meio de monólogos internos, ir questionando o que é esse sentimento meio apreensivo que ele sente com relação ao Hisashi. E como é um romance, a gente já sabe que eventualmente a regra número 2 deles vai ser quebrada. Algo que gosto muito na percepção do Mao é que como ele gosta muito de cinema, a visão deles das coisas por vezes passa por uma ‘lente cinematográfica’, como se fosse um grande espetáculo teatral.

O que ajudou muito no convencimento dos personagens é a direção, que mostrou que sabe bem o que está fazendo com o material que possui em mãos. Essa é uma produção muito limitada em animação, tanto que a maior parte do episódio é estático e com closes muito perto dos personagens. E não ajuda o DEEN estar com dois animes na mesma temporada (o outro é “Gimai Seikatsu”, ao qual a equipe de “Sasaki e Miyano” está trabalhando). Mas o diretor conseguiu tirar proveito disso e é muito bom! Mencionei ali a ‘visão cinematográfica’ e o diretor (Toshinori Watanabe) se aproveita da temática da série para trazer várias concepções de cinema para o anime, como uma tela (suponho) 2.40:1, ou mesmo lembranças como se estivéssemos vendo por uma gravação, além da utilização de quadros e sobreposições das imagens.

Direções criativas em meio a situações em que não dá para esbanjar em animação fluida, ajudam muito a entreter visualmente o expectador. Não é que salve um anime (especialmente se o texto for ruim), mas acaba fazendo bastante diferença no final das contas. E o diretor ainda tem um bom timing cômico. A cena em que o Hisashi sai do banho, o Mao o encara e começa a tocar uma musiquinha sexy é impagável!

Genial!

Eu sou um pouco suspeito para falar da obra, porque gosto muito do mangá e o conheço desde o ano que começou a ser lançado no Japão, mas acaba por ser daquelas histórias simples e muito competente. A autora tem ideias criativas e de composição excelentes no mangá e é bom ver que a direção está pelo menos tentando criar composições artísticas bacanas para o anime também. O lado bom é que apesar da limitação quanto a animação, a produção parece estar em uma posição mais confortável, isso porque o anime teve uma pré-estreia de dois episódios no final de maio. Então pouco mais de um mês antes da estreia do anime, haviam pelo menos 2 episódios prontos, o que é sempre um bom sinal! ^^


Para quem não sabe “Tsogare Outfocus” nasceu como um volume único (o que é muito frequente em BLs) publicado na revista Honey Milk (Kodansha), mas devido a popularidade, a obra não só ganhou sequências como também ganhou spin-offs focados em casais secundários da obra. Então embora sejam obras que se passam no mesmo universo e os personagens apareçam nesse primeiro volume que deu origem a tudo, eles não são conectados como um mangá que já é pensado para ser uma série. Fico muito curioso para ver como farão a organização da história, se farão cortes mais abruptos ao partir para outra história, se tentarão fazer uma cronologia e uma ligação mais natural entre os eventos da série, ou mesmo como ficará o final, já que até hoje a série está em publicação no Japão (a autora está publicando uma sequência de um dos spin-offs [Zanzou Slow Motion]). Muitas questões… De qualquer forma, o que vi nesse episódio de estreia me deixou bem satisfeito. Não acho que a equipe responsável vá fazer alguma coisa muuuito errada aqui.

Pelo que adaptaram nesse episódio, eu chuto que vão terminar de adaptar “Tasogare Outfocus” no episódio 3 ou 4. Então não deve demorar para vermos como ficará para o próximo casal! De toda forma, conhecendo o material de origem, deixo a recomendação, porque pelo menos o texto é bom e se seguir como nessa estreia, será um bom anime para se acompanhar. ^^

Adorei as referências à filmes na OP
Eu acordando numa segunda-feira

2 thoughts on “Tasogare Outfocus (Twilight Outfocus) #1 – Primeiras Impressões

Deixe um comentário