Panini, e a comunicação??? Cadê?

Panini, e a comunicação??? Cadê?

Ontem, dia 14 de dezembro, a editora Panini participou de uma live no YouTube (sem avisar em suas redes sociais) com o canal BlogBuster. A live contou com a presença do Douglas, responsável pelo marketing da Marvel, da Carol, responsável do marketing da DC e com o Leonardo Raveggi, que é gerente editorial da Panini. A live teve algumas (poucas) informações relevantes sobre a parte de mangás e viemos trazer elas para vocês nessa postagem 🙂


Leonardo Raveggi (gerente editorial) começa a live comentando um pouco das mudanças pelas quais a Panini passou e está passando. Ele diz que o começo de tudo foi uma reorganização da área editorial. O Leonardo disse que ele está fazendo a gerência da Panini Latino-Americana (incluindo a Panini BR) desde meados março/2020. O plano dele era vir para o Brasil, porém devido a pandemia, ele teve que permanecer em Florença, na Itália. Ele comenta que essa mudança no editorial era necessária para colocar ‘ordem na casa’, incluindo a questão de prazos e lançamento dos volumes de cada mês que tinham coisas atrasadas. Ainda comentou da comunicação, que precisa acompanhar o editorial – e precisa estar em ordem – para que assim, se consiga trabalhar com ações de marketing, assinaturas, etc. Com a organização, eles conseguiram cobrar mais os prazos de entrega e agora que se começa a ver os resultados disso. Ele comenta que uma empresa do tamanho da Panini, tende a ter um delay para se ver as mudanças que se faz internamente refletir “para fora” dela.

Foi dito que agora há um responsável para coordenar o trabalho editorial de cada licença/setor da Panini: Levi Trindade cuida da DC, o Bernardo na Marvel, a Sandra nos mangás, a Tatiana e o Tiago (ou Thiago, não sei) na MSP, e a Isabela na Panini Books. Depois passaram para a reformulação do marketing. O Douglas comenta que começaram esse processo definindo uma pessoa para cada grande setor da editora. Ele comenta que além dos reajustes de preço que estão servindo para ajudar a editora a lidar com a crise, a reestruturação interna também está fazendo parte desse processo. Segundo o Douglas, a parte de publicações de mangás também está sob sua responsabilidade, ou seja, além do marketing, ele também vistoria os volumes publicados. A Carol, ao menos por enquanto, está responsável pelas publicações da MSP.

O Douglas comenta que estarão tornando a comunicação da Panini mais humanizada. Ele ressalta que por muito tempo era tudo na base de especulações do público, mas que agora estão trabalhando para serem mais próximos de nós, público consumidor. Ele comenta que antes a editora não tinha estrutura para trazer as respostas assertivas.


Reajustes

O Douglas brinca que o pessoal acha que fazer reajuste é um tipo de sadismo da editora, como se a Panini gostasse de ver o circo pegar fogo. O Douglas diz que não consegue falar de nada de 2020 sem envolver a pandemia, não somente no social, mas também na economia do Brasil que foi muito afetada. Ele comenta que os produtos da Panini já tinham valores defasados em relação ao mercado (brasileiro, estadunidense, europeu…) e foi ainda mais agravado durante a pandemia. Então se antes já havia um desnível, agora ficou completamente insustentável. A Carol completa que toda matéria-prima (papel e insumos) ficou mais cara. Ela ainda diz que mesmo que o dólar baixe é muito difícil conseguir baixar o preço dos volumes. Exemplificando: “Quando cai o preço do barril do petróleo, fica difícil chegar esse resultado no posto.”. Todavia, ela diz que se chegar num ponto que dê para baixar os valores, eles vão baixar. Reforçando que é extremamente raro de acontecer.

O Douglas ainda faz um exemplo maior: “Imagina que quando o dólar começa a subir, tudo que antecede a produção [dos volumes] começa a subir também. Para o preço baixar o preço final, tudo o que subiu junto com o dólar, também precisa descer. (…) O dólar disparou hoje e cai amanhã, só que a gráfica não abaixa o preço, a matéria-prima não baixa o preço, a logística não abaixa o preço. A gente não vai conseguir responder ao dólar na mesma velocidade.”. A Carol ainda completa que a única coisa nessa linha que eles conseguem responder rápido frente ao dólar é o custo da licença que é feito na conversão/cotação do dia. A Carol lembra que está faltando papel e outros produtos usados no mercado que não tem ligação direta com a produção dos volumes como o aço, algodão e tecido. Isso está acontecendo justamente pela pandemia e por causa da alta do dólar que esses produtos estão exportando muito mais do que ficando por aqui.

  • A editora não tem previsão de mais reajustes além dos que nós já estamos vendo para 2021;
  • A Panini já tem uma tabela de preços definida para 2021 e está tudo aprovado pela matriz italiana;
  • Sobre mangás em específico, a maior parte dos reajustes vêm agora no começo do ano (janeiro/fevereiro). Alguns casos porém, em que um determinado título estava em finalização de arco ou começo de uma nova linha, já sofreram reajuste no fim desse ano;
  • Haverá alguns casos pontuais em que o reajuste vai acontecer no decorrer do ano, como “Atelier of Witch Hat” #8, que está com previsão de ser lançado em abril pela Panini e que só terá o reajuste naquele mês. Outro exemplo é o caso de “Black Butler” #30 que está com previsão de ser publicado em março.
  • Monsternão sofrerá reajuste de preço. O volume #7 (de 9) da série estará sendo publicando agora em dezembro;
  • A editora diz que estava com problema de comunicação na parte de assinaturas. Eles já contrataram uma pessoa para fazer a comunicação entre os estoques já tem uns 4 meses. Eles dizem que quando vão produzir um livro ou mangá, a assinatura já pede o reparte deles. Só que pode acontecer deles pedirem, por exemplo, 5 mil cópias e vender 6 mil. Aí a editora tem que tirar de outro lugar que normalmente sai da loja ou do varejo. Essa troca estava demorando, porém agora está acontecendo muito mais rápido;
  • Ainda mencionaram que se acaba o produto na loja da editora, em 1 ou 2 dias eles já conseguem repor. Eles veem se tem lote de varejo ou de banca para realocar lá. Se acabou de vez, eles estudam reimpressão e até para que ela não esgote tão rápido;
  • Sobre mangás esgotarem recorrentemente na loja, acontece algo muito parecido com o tópico acima. E saber se vai ter reimpressão, a editora precisa avaliar se esgotou mesmo, se voltou de banca, se tem ainda volumes de varejo, etc.;
  • A editora diz ter estudos que, com 5 à 10 dias dos mangás em bancas, eles sabem mais ou menos o que vai faltar e possivelmente se vai precisar de reimpressão;
  • Banana Fish” #1 não será reimpresso por ora. O volume deve retornar ao mercado por ainda ter tiragem;
  • Eles reforçam a importância do público pedir por volumes esgotados pelo “avise-me” da loja da editora. A Panini comenta que eles precisam ter uma visão realista da real da demanda de pedidos. Ainda falam que obras fora da curva como “Naruto Gold” ou “Dragon Ball”, eles sabem que tem demanda, então é mais fácil decidir as reimpressões. Mas que com volumes ‘perdidos’ da coleção é mais difícil deles terem ideia da demanda;
  • Panini continuará a investir nos mangás em formato digital em 2021;
  • A Panini não tem planos no momento de publicar “Innocent Rouge“, continuação direta de “Innocent“, publicado entre 2018 e 2019 pela editora;
  • A Panini deve fazer mais anúncios no 1º bimestre de 2021;
  • A Panini confirmou que publicará a parte 4 de “Jojo’s Bizarre Adventure”. A previsão é que seja lançado até o fim do 1º semestre, provavelmente em maio;
  • Em janeiro a Panini fará uma nova pesquisa de reimpressão. A editora pretende fazer uma nova pesquisa a cada 6 meses;
  • A Panini diz que além de querer ficar mais próxima do público, eles querem ficar mais próximos da imprensa especializada/influenciadores (oi Panini, estamos sempre abertos). Qualquer influenciador que queira conversar, marcar uma live, entrevista com eles, é só entrar em contato que eles vão atender;
  • Comentaram também que eles não sabiam como contar sobre os reajustes dos preços, dado que a editora está voltando a se comunicar e já vem falar de aumento de preço. Entretanto, disseram que é o mercado atual, então seja com notícias boas ou ruins, estamos todos no mesmo barco (só lembrando que ficamos sabendo dos reajustes de mangás graças aos cadastros na loja da editora, não por comunicado oficial);
  • A editora disse que continuará fazendo lives no ano que vem;
  • Não há nada previsão para “Bleach” no momento e nem relançamento ou reimpressão dos encadernados;
  • Teremos mais promoções na loja da Panini até o fim do ano.

Opinião

Primeiro de tudo: Panini, não adianta NADA tu falar que vai fazer comunicação com o público, se você não avisar QUANDO e ONDE vocês farão live. Eu só soube dessa live, porque o BBM publicou post do anúncio da Parte 4 de Jojo’s. Existem quinhentos canais de quadrinhos e eu ainda não sou adivinho/vidente para saber em qual(is) desse(s) canal(is) vocês vão fazer live!!! Me ajuda a te ajudar inferno!

Segundo e o mais importante: achei ótimo a editora comentar sobre a questão dos preços de uma forma um pouco mais detalhada. Poderiam fazer mais e explicar isso num post nas redes sociais. Mas enfim, ainda é deveras estranho que a fala da editora entre em contradição com a realidade deles. Por exemplo, mencionam sobre pedir pelos volumes por meio do “avise-me” na loja da editora. Mas se você vai na loja, tem mangás e/ou volumes que simplesmente não existem mais lá e o registro foi apagado. Isso foi até alertado por alguns seguidores. “Black Butler” por exemplo, só alguns dos volumes mais recentes e um ou outro mais “perdido” está lá. O resto NADA!

Os únicos volumes de “Black Butler” que constam no site são: #17, #18, #23, #24, #26, #27, #28 e #29;

Sabe, é muito complicado. Porque toda fala da editora, você consegue pensar em algum aspecto que vá na contramão do que foi dito por eles. Achei ótima a explicação sobre os reajustes e precisa ser dito mais vezes. Ser dito, escrito, reescrito! Por mais que eu entenda os preços, a editora ainda peca ao fazer uma pesquisa sobre formatos, de forma completamente ‘vazia’, sem dizer quais impactos traria se eu optasse por formato X, Y ou Z. Fora a questão de você ainda ter os problemas de encadernação (embora de forma menos recorrente). As reimpressões que eles falam, falam, falam, porém que a maioria nunca sai de estudo, sendo que é DEVER da editora manter os tomos disponíveis, principalmente de séries em andamento. Se você olha o checklist da Panini Itália, a matriz da editora, dá gosto de ver a lista de reimpressões para determinado mês. Um exemplo o checklist de janeiro:

Então, por mais que eu entenda certas questões, meio que perde a credibilidade quando você vê outros lados disso tudo. É triste, porque os produtos estão cada vez mais caros e por vezes a qualidade não acompanha o preço. Você se sente forçado a comprar os volumes no lançamento, porque corre o risco de você não ver mais eles sendo vendidos pelo preço de capa. É tenso… Enfim, espero que a postagem tenha sido útil 🙂

Autor

6 thoughts on “Principais informações da live da Panini com o BlogBuster

  1. Obrigado por fazer uma descrição detalhada do que foi essa live nesse canal que eu nunca vi na minha vida rsrsrrsrs
    Cara, é aquele ditado, panini fazendo paninices kkkkk
    Bom, espero que eles realmente resolvam essa questão de estoque e parem de ficar se dando desculpinha

  2. Amigos, corrijam o texto aí.
    ““Banana Fish” #1 não será reimpresso por hora”

    Nessa caso aqui o correto seria “por ora”, que significa “nesse momento”. O “hora” aqui está completamente incorreto.

  3. “Não há nada previsão para “Bleach” no momento e nem relançamento ou reimpressão dos encadernados”

    Então pra que eles fazem pesquisa de reimpressões? Só vai dar esses títulos grandes e que não dá mais pra achar no mercado de forma alguma.

    Só reimprimam/relancem o que der pra vcs e parem de iludir o público que fica esperançoso com essas coisas

Deixe um comentário