Rápida mudança de foco.

Rápida mudança de foco.

Se fosse para definir esse episódio em poucas palavras, seria algo como “Aconteceu de tudo, menos aquilo que eu esperava ou queria ver”. Não é que o conteúdo tenha sido ruim, mas dado a forma que o episódio antecessor terminou, era de se imaginar que fosse manter aquela pegada apresentada e não foi isso que aconteceu aqui.


Assim, de forma geral, eu não tenho muito o que falar desse episódio. Acompanhamos um caso como muitos que já assistimos ao longo da série, com a diferença maior de que estamos vendo da perspectiva do Sherlock que, se não estou confundindo, nós “não tivemos” algo assim sendo trabalhado na série. Já teve outros episódios com o Sherlock sendo o destaque, acompanhando a linha de pensamento do personagem e tudo mais, só que nesses capítulos, tinha o dedo do Moriarty e ocasionalmente, eles trocavam o foco, passando para a perspectiva do protagonista articulando alguma coisa. Tornava tudo muito intrigante pelo simples fato de eu querer saber como tudo ia se desenrolar e encaixar com os planos do personagem, coisa que não tivemos aqui. É ‘só’ mais um mistério que no fim, tem uma conexão com os eventos do núcleo principal (falo disso já já). E assim, não gosto muito de quando a obra passa para a perspectiva do Sherlock. São os episódios bem menos interessantes quando são assim. Não são péssimos, mas o grande chamariz da série é o Moriarty e sua forma questionável de agir que torna a trama maravilhosa.

Acredito que tenham dois fatores principais para eu não ter gostado desse episódio: 1. quebra de expectativa; 2. direção um tanto aquém. Calma, vamos explicar cada um. O primeiro é muito por causa do que comentei previamente mais acima. O episódio anterior escala muito rápido, tem um final para lá de impactante e o mais natural é achar que o próximo episódio fosse manter a mesma pegada, o que não ocorreu. É uma quebra de narrativa, e até de ritmo, enorme. Muda completamente o tom do enredo! Enquanto o episódio passado era mais tenso, com aquele ar de ‘engrandecimento’ e que agora não tinha mais volta, esse episódio parece andar para trás, sendo só mais um conto bem isolado (com exceção dos minutinhos finais). O que acabou contribuindo para a minha decepção também é estar vendo os episódios em sequência, sem aquele espaço de alguns dias, como acontecia quando acompanhava semanalmente. Eu termino de escrever o post do episódio e vou para o próximo. Assim estou indo com muitas expectativas com tudo muito fresco na cabeça. Isso está causando alguns estranhamentos e nesse caso, uma queda de cavalo enorme haha.

E o outro ponto é que “Moriarty”, até então, vinha em um ritmo de adaptar cerca de meio volume por episódio. Isso aconteceu mais ou menos do episódio 12 até o 20. Os episódios da 1ª parte da série ou pulavam diversos eventos, já que tinham muitos arcos curtos e contos fechados, ou enxugavam conteúdos para encaixar em poucos minutos. Por exemplo, o volume 4 do mangá foi praticamente todo pulado na adaptação e partes do volume 3 foram ignoradas. Somente o volume 1 foi perfeitamente adaptado, sendo o conteúdo dos episódios 2 à 4 (episódio 1 é original). Quando chegamos nesse ponto da história, eles estão adaptando basicamente um volume por episódio (nesse que estou comentando, foi o volume 11). E bem, eles (a produção do anime) lidavam perfeitamente com adaptar meio volume por episódio. Só que chegou aqui e eu sinto que a direção ficou um pouco apagada. Eles conseguem deixar tudo fechadinho, condizente, e não tenho problemas nessa questão. Porém eu sinto que a direção não teve tempo para mostrar o que vinham fazendo até então em ser mais autoral ou enaltecer os principais momentos. Tentando explicar: os episódios tinham um clima de suspense e para construir essas cenas, tinham cenas que eles podiam “parar” e focar em coisas que davam charme à direção. Por exemplo, os closes nos olhares, fazer takes mais “contemplativos”, por assim dizer, como as luzes do ambiente, mostrar o céu, estátuas. Tínhamos momentos “de pausa” que serviam justamente para construir o clima da cena e foi uma coisa que senti falta nesse episódio 21. Tudo ia acontecendo muito direito. Realmente pareceu que não tinham tempo para essas coisas, pois tinham que fechar no tempo certinho.

Agora falando mais sobre o caso em si, somos apresentados a Mary, noiva do John (adoro a reação do Sherlock nessa cena, diga-se de passagem) e há um certo mistério envolvendo ela. A personagem inicialmente quer descobrir o que há por trás do envio das pérolas que acontecem de forma anual, bem como o que poderia ter acontecido com seu pai que desapareceu há anos. O que acaba sendo uma grande desculpa no fim das contas, pois ela queria mesmo era saber do tesouro milionário que seu pai e mais algumas pessoas haviam encontrado décadas atrás. Eu passei o episódio todo desconfiando da mulher, achando que ela estava apenas usando o John por mero interesse, como uma forma de chegar até o Sherlock, e assim conseguir chegar até o tesouro de forma mais segura. Seria um plano desnecessariamente grande? Seria, mas cogitei ali no momento. No final das contas, ela só estava sendo ameaçada *cara de palhaço*. Não vou mentir, mas não tenho mais muito o que falar disso, porque o caso é muito “preto no branco”. Não tem desdobramentos ou coisas do gênero que são os aspectos que mais me encantam na série, até porque esse não era o foco. Esse capítulo é um grande pretexto para conectar o Sherlock com a briga do Milverton e Moriarty. Acompanhamos o desenrolar todo, para no fim, o anime/mangá praticamente chegar em você e dizer: olha, a gente precisava de algo para fazer o Sherlock entrar nessa treta toda. Assim criamos toda essa narrativa para encaixar tudo. Eu praticamente terminei o episódio rindo por toda essa volta que deram. Eles conseguiram ligar os pontos e envolver o Sherlock nesse rolo. No próximo episódio, o Moriarty e o Sherlock enfim vão dar as caras, só que provavelmente dessa vez seja com ele tendo conhecimento de que o Moriarty é o Lorde do Crime.


Esse episódio eu realmente não tinha muito o que comentar. Fiquei um pouco decepcionado, mas acredito que vamos voltar aos trilhos no próximo. Vamos ver o que nos aguarda e espero que a direção também consiga entrar nos eixos nos episódios finais, muito embora a tendência seja que se mantenha como aqui, dado que o ritmo vai ser bem semelhante. Torcemos pelo melhor e até logo menos ^^

Cadê meus closes de olhos?!?! Esse post quase ficou sem tumb :'(